Tuesday, October 28, 2008

Thursday, October 16, 2008

RESENHA DO LIVRO “A COISA EM SI”

“A Coisa em Si” é o primeiro livro de poesia publicado pelo escritor e poeta André Plez, morador da cidade de Mococa, interior de São Paulo. O autor é formado em Letras e aluno de Pós-Graduação em Lingüística e Literatura. Além de sua formação universitária, trava diálogo com outras ciências, como a filosofia, a psicologia e a sociologia.
O livro foi o resultado de toda uma vida de criação. O autor se declara tangido pelo “desejo de criação”, fato que sempre o levou a produzir, em todos os gêneros literários, diversas obras, tendo escrito dois romances, um livro de contos e vários de poesia, ainda não publicados. “A Coisa em Si” foi o seu último trabalho em poesia, escrito “com um sentido maior, em que vida e texto se articulem; letra e sangue se misturem; e espaço e tempo se revelem” - como bem disse Affonso Romano de Sant'Anna, outro poeta contemporâneo.
A poesia oferece ao leitor uma leitura prazerosa, trazendo consigo uma experiência estética diferente do texto em prosa, pois a poesia não fica restrita apenas ao significado, vai além, mostrando-se repleta de sonoridade, ritmo e forma.
A proposta do livro é ressaltar a função poética da linguagem, que busca a palavra-primeira, aquela palavra pura, livre da nomeação pragmática, que quer ser aquilo que representa. Uma rosa no poema é a própria rosa, com seus espinhos, perfume, cores e flores. A rosa é representada pela palavra. A palavra, por sua vez, é a própria rosa, é a coisa em si. É isso que o autor quis revelar através dos seus versos, trazendo a coisa que está sendo representada para fora do texto, tornando a poesia um gênero que transcende o significado, fazendo necessária a união com o ritmo, a sonoridade e a forma.
O universo poético do livro “A Coisa em Si” tende a representar O signo lingüístico em sua forma originária, com múltiplas significações. É uma viagem rumo ao pensamento de um poeta com sensibilidade, que lida com temáticas que envolvem a condição humana. Também é trabalhada a questão da metalinguagem, que é o poema que quer se explicar, bem como o ofício de escritor, que existe em todos nós. Existem ainda poemas sensuais, que buscam representar a completude do amor, da figura feminina, bem como poemas que destacam os desencontros entre os amantes. Com um senso profundo da alma humana, podemos perceber uma tendência ao pessimismo, sendo este necessário para a compreensão da natureza do mundo e do homem contemporâneo, que busca sua identidade em meio à fragmentação do cotidiano desenfreado.
Afinal, o livro “A Coisa em Si” é o resultado de um lirismo ornado por uma multiplicidade de sentidos, eixos temáticos, ritmos e imagens, próprios da natureza humana. É um livro que se torna um “ser de linguagem”, uma coisa em si.

Futuramente serão postadas as datas e os locais de lançamento - previstos para Novembro e Dezembro de 2008.